Boletim Buzatto’s: Covid-19 e Grupo DPSP

Boletim Buzatto’s: Covid-19 e Grupo DPSP
31 de julho de 2020 Viviane Massi
novo coronavírus

➡️ Índia terá genérico a R$ 4 para tratamento da Covid-19

A farmacêutica indiana Heterolabs lançou uma versão genérica do antiviral favipiravir para tratar pacientes com Covid-19 no país. Nesta semana, a Índia superou a marca de 1,5 milhão de casos, sendo que 500 mil foram detectados nos últimos 12 dias.

O laboratório obteve a autorização para fabricar e comercializar o medicamento para uso em pacientes com sintomas leves e moderados do novo coronavírus. O remédio custa em torno de 59 rúpias, o equivalente a R$ 4, e está disponível em farmácias mediante prescrição.

O favipiravir foi desenvolvido originalmente pela Fujifilm do Japão sob a marca Avigan, voltado para o tratamento da gripe. Agora, vem apresentando resultados clínicos nos testes realizados na Índia.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

 

➡️ Femsa volta a negociar compra de 100% do Grupo DPSP

O Grupo DPSP, proprietário das redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo, voltou a negociar a venda de 100% da operação para o grupo Femsa. As informações são do jornal Valor Econômico. A transação poderia girar em torno de R$ 12 bilhões a R$ 15 bilhões.

As empresas iniciaram a negociação no ano passado, mas divergências em relação a preço acabaram atrapalhando o acordo. Mais conhecida como a engarrafadora da Coca-Cola, a Femsa administra um braço formado por cerca de 3 mil farmácias no México, Colômbia, Chile e Equador, entre elas a Moderna, Farmacon, YZA, Fybeca, SanaSana e Cruz Verde.

Segunda maior rede de farmácias do país de acordo com o ranking da Abrafarma, a DPSP viu o faturamento crescer 7% em 2019 – um aumento menor do que a média de 11% do varejo farmacêutico e abaixo de rivais como Raia Drogasil. De acordo com a reportagem, as projeções para 2020 e 2021 são de uma aceleração nas vendas e no lucro operacional, o que elevaria o valor final da transação em uma eventual conclusão do negócio.

A empresa também estaria avaliando o negócio em cerca de 20 vezes o seu Ebitda projetado para 2020, na faixa de R$ 600 milhões, e de R$ 750 milhões para 2021.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

 

Leia também: Hotelaria hospitalar: conceito vem transformando ambientes de saúde

 

➡️ IQVIA e Butantan se unem em estudo sobre vacina chinesa

Após um processo de concorrência, o Instituto Butantan e a IQVIA anunciam um novo acordo de colaboração para estudos da vacina chinesa CoronaVac no Brasil.

O estudo será realizado em 12 hospitais de referência pelo Brasil. As primeiras vacinas do estudo foram administradas em 21 de julho de 2020 no Hospital das Clínicas de São Paulo, com o restante dos centros de pesquisa iniciando nas próximas semanas. O objetivo é vacinar todos os participantes do estudo até o final de setembro de 2020.

A IQVIA possui mais de 30 anos de experiência na execução de estudos clínicos na América Latina e atualmente está conduzindo vários estudos sobre a Covid-19 em todo o mundo.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

 

➡️ Lucro líquido da Colgate-Palmolive sobe 8,3%, para US$ 635 milhões

A Colgate-Palmolive reportou um lucro líquido de US$ 635 milhões no segundo trimestre de 2020, uma alta de 8,3% ante o mesmo período de 2019. Diluído, o lucro foi de US$ 0,74 por ação, acima da expectativa do mercado de US$ 0,70 por ação, de acordo com a agência FactSet.

A receita subiu 1%, para US$ 3,90 bilhões, também acima da previsão dos analistas, de US$ 3,78 bilhões.

A empresa não deu nenhuma projeção financeira para 2020 devido à incerteza criada pela pandemia.

Após a divulgação dos números, as ações da companhia subiam 1% nas negociações de pré-mercado na bolsa de Nova York, a US$ 77,60. No ano, os papéis subiram 12% até agora, enquanto o S&P 500 ganhou 0,5%.

Fonte: Valor

 

➡️ Entidades cobram ANS para incluir exames sorológico de Covid-19 na cobertura dos planos de saúde

Na manhã desta quinta-feira (30), o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) e outras três entidades de defesa do consumidor oficiaram a ANS (Agência Nacional de Saúde) solicitando que os planos de saúde incluam na lista de cobertura os exames sorológicos para diagnóstico da Covid-19. Além do Instituto, assinam a carta a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Associação Brasileira de Procons e o Fórum Nacional de Entidades de Defesa do Consumidor.

No último dia 17 de julho, após recorrer à Justiça, a ANS suspendeu a eficácia de uma normativa que incluía os exames sorológicos para diagnóstico do coronavírus, sob o argumento de que precisa de mais subsídios para tomar essa decisão. Contudo, o primeiro registro de exames para detecção de anticorpo (chamados também de sorológicos) na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) datam de março deste ano, sendo que se passaram ao menos três meses para que a ANS se posicionasse sobre eles.

O teste sorológico ficou na lista de rol de procedimento dos planos apenas entre os dias 29 de junho e 17 de julho, período em que a medida judicial que determinava a realização do exame teve validade.

Fonte: Portal Hospitais Brasil

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*